arquitetura

 

Arquitetura Russa

arquitetura russa

Arquiteta, a profissão é a arte de construir um dos sonhos mais desejados em muitas pessoas a construção de suas casas. Algumas publicações famosas tratam desse assunto, como a revista Arquitetura e Construção


Esta página está em construção, e ainda não foi formatada, Escritório de Arquitetura Patricia Mellilo - Fazendo do seu Projeto a Arquitetura da Construção de sua Casa a realização do seu Sonho. Rua Coronel Rodrigues Simões n 620 São Manuel - SP. Visite nosso novo site www.patriciamellilo.com.br ou entre em contato pelo telefone (14) 3841-5334 ou pelo e-mail patriciamellilo@gmail.com

Saiba mais sobre Decoração para sua Casa, e Trabalho de arquitetos e arquitetas na construção e projetos de Casas e Construção.


Foi em Novgorod que se desenvolveram as características fundamentais da arquitetura russa, com um conjunto de monumentos que tem como exemplo mais notável a catedral de Santa Sofia (1045-1052), com duas naves, três absides e cinco cúpulas.
A história da arquitetura russa pode ser dividida em quatro períodos: o bizantino, entre os séculos X e XVI, o nacional ou moscovita do século XVI ao XVIII, o petersburguês ou europeu, entre o século XVIII e o início do século XX, e o soviético, entre 1918 e 1990.
Período bizantino. Com a cristianização da Rússia, em 988, as concepções artísticas bizantinas tornaram-se dominantes nos principados de Kiev, Novgorod e Suzdal. O esplendor típico da arquitetura bizantina passou a constituir o traço característico das novas igrejas ortodoxas, que adotaram o esquema grego com a cruz inscrita num retângulo e a cúpula sustentada por pilares. Entre os templos de Kiev construídos dentro da tradição bizantina destacam-se a igreja Desiatinaia (989-990), a catedral de Santa Sofia (1037) e a igreja da Assunção, no mosteiro das Cavernas (1073-1078).
Todas essas igrejas foram construídas com base na tradição bizantina, embora com claras influências da Bulgária, Geórgia e Armênia. A catedral de Santa Sofia, principal templo da Rússia, é o único prédio desse período ainda existente e que mantém, pelo menos em seu interior, parte da forma original. A parte central do templo foi construída em forma de cruz grega e a nave central e as quatro laterais terminavam em absides circulares. A catedral tinha 13 cúpulas, que simbolizavam Cristo e os 12 apóstolos.
Em Novgorod, como em Kiev, a história da arquitetura eclesiástica teve início com a construção da catedral de Santa Sofia, entre os anos de 1045 e 1052, que substituiu um templo do mesmo nome, com 13 vadas do mundo. Compõe-se de três grupos étnicos bem diferenciados: os hutus, de etnia banto, que constituem 85% da população e são tradicionalmente agricultores; os tutsis, pastores de etnia nilótica, foram por muito tempo a classe dominante, apesar de somarem apenas 14% da população total; e a pequena minoria twa, de caçadores, pescadores e ceramistas de etnia pigméia e que constitui 1% da população.
O francês e o quiniaruanda, língua do grupo banto, são os idiomas oficiais de Ruanda, mas só uma pequena parcela da população fala o francês. O suaíle é muito falado nas cidades. Além da capital, Kigali, outras cidades importantes são Nianza, Gisenii, Giangugu e Gitarama. (Para dados demográficos, ver DATAPÉDIA.)
Economia. A situação geográfica de Ruanda e a relativa pobreza de seu território não favorecem o desenvolvimento econômico, comprometido ainda mais pelo crescimento explosivo da população. A maior parte dos habitantes do país se dedica à agricultura e à pecuária, em pequenas propriedades familira Roma" criaram condições para o surgimento de projetos arquitetônicos compatíveis com a importância da cidade. O Kremlin e duas de suas principais igrejas -- as catedrais da Assunção e de São Miguel Arcanjo -- foram reconstruídos por arquitetos italianos entre os anos de 1475 e 1510. Nesse período, a arquitetura eclesiástica começou a se libertar da influência bizantina, nacionalizando-se e adotando soluções de acordo com o gosto popular.
A principal mudança ocorrida no século XVI foi a introdução das torres espiraladas em lugar da tradicional cúpula bizantina. As edificações adquiriram características nacionais, visíveis sobretudo na igreja da Ascensão, em Kolomenskoe, de 1532; de São João Batista, de cerca de 1532; na de Diakovo; e, principalmente, na catedral de São Basílio, construída entre 1555 e 1560 na praça Vermelha, em Moscou. Nesta última, em estilo medieval russo, os conceitos acadêmicos foram ignorados. Também do século XVI é a igreja da natividade e o campanário de Ivan o Grande da catedral do Kremlin, cuja cúpula resplandecente constituiu a expressão de uma época, exibindo o gosto e as grandiosas ambições políticas do nascente estado russo. A arquitetura barroca, cujo melhor exemplar é a igreja da Intercessão, foi transformada num estilo puramente nacional.
Período petersburguês. A fundação de São Petersburgo assinalou o início de uma nova era na arquitetura russa. A contratação, por Pedro o Grande, de profissionais da Europa ocidental para a realização de seus ambiciosos projetos abriu as portas à influência estrangeira, sobretudo holandesa, alemã, francesa e italiana. Ao barroco -- que adquiriu nova expressão, corporificada no peculiar senso russo de forma, escala e escolha de materiais-- seguiu-se o estilo rococó, com seu refinamento clássico, que culminou no estilo russificado do império, notável por sua monumentalidade, integração de volume e espaço, colorido e decoração escultórica.
Entre as principais edificações desse período, destacam-se a catedral do convento Smolni (1748-1764) e o palácio de Inverno (1732); a Academia de Belas-Artes (1764-1788); o Almirantado (1806-1823); os edifícios do Sínodo e do Senado (1829-1834); e o novo Ermitage (1840-1850). Enquanto isso, em Moscou as construções apresentavam características mais modestas, como os edifícios da universidade (1817-1819) e o Teatro Bolshoi (1821-1824). A partir de 1830, no entanto, os arquitetos moscovitas adotaram uma linha nacionalista, com a criação de um estilo genuinamente russo, de que são exemplos a igreja de Cristo, o Salvador (1837) e o Grande Palácio do Kremlin (1839-1848).
Período soviético. A revolução socialista de 1917 ocorreu num momento em que os movimentos arquitetônicos de vanguarda já se haviam difundido na Rússia. Durante os primeiros anos, entre 1918 e 1922, os arquitetos, em seu desejo de traduzir a dinâmica da revolução em formas plásticas, tenderam para o simbolismo e depois para o construtivismo, o funcionalismo e as teorias da escola de Bauhaus. A experimentação modernista continuou até 1930, quando teve início o movimento de retorno ao classicismo monumental e decorativo das criações de Ivan Joltovski e Zinovi Rozenfeld, entre outros.
O ressurgimento do nacionalismo no final da década de 1930 produziu a volta às tradições, cujos exemplos mais expressivos são algumas estações do metrô de Moscou, a Exposição Agrícola da União (1939-1940), a Universidade Estadual de Moscou, hotéis, edifícios públicos e residenciais. A partir do final da era stalinista, caracterizada na arquitetura pelo chamado estilo stalinista do pós-guerra, numerosos arquitetos passaram a defender o abandono dos clichês clássicos. Em 1955 o governo iniciou um programa de revisão do desenho arquitetônico, com o objetivo de padronizar a indústria de construção. Dedicou-se então particular atenção ao desenvolvimento de materiais de construção, tais como plásticos, metais leves e concreto reforçado, e às possibilidades decorativas de formas não-convencionais.
À luz das novas experiências, os arquitetos passaram a reinterpretar os princípios da moderna arquitetura, reconciliando o novo e o velho. Exemplos dessas concepções são visíveis nas cidades satélites de Moscou e Leningrado, nos conjuntos residenciais de Nova Cheremuchki, em Moscou, no Pavilhão Soviético da Exposição Internacional de Bruxelas, de 1958, e nos edifícios modernos de Moscou: palácio dos Congressos, no recinto do Kremlin, projeto coletivo, dirigido por Mikhail Vassilievitch Possokhin; edifício da praça Arbat; cinema Outubro; arranha-céu do Comecon; e o cinema Rússia, na praça Puchkin.
O crescimento da população urbana, as guerras e a necessidade de destinar verbas substanciais à criação e implantação da indústria pesada agravaram o problema habitacional na União Soviética. Para resolvê-lo, o governo recorreu à padronização, ao emprego de pré-moldados e à eliminação do supérfluo, o que sem dúvida barateou e acelerou a construção, mas não contribuiu para a estética da arquitetura russa do período soviético.

fonte: ©Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.

Saiba mais acessando http://www.patriciamellilo.com.br

Leia mais em:

Neoclassicismo

Neoclassicismo

Romantismo

Romantismo

Modernismo

Modernismo

Estilo Rococó

Estilo Rococó

Arquitetura Barroca

Arquitetura Barroca

Arquitetura Maneirista

Arquitetura Maneirista

Arquitetura Bárbara

arquitetura Bárbara

Arquitetura Inca

arquitetura Inca

Arquitetura Africana

arquitetura africana

Arquitetura Khmeriana

Arquitetura Khmeriana

Arquitetura Egípcia

Arquitetura Egípcia

Arquitetura Gótica

Arquitetura Gótica

Arquitetura Ordem Coríntia

Arquitetura Ordem Coríntia

Arquitetura Ordem Dórica

Arquitetura Ordem Dórica

Arquitetura Ordem Jônica

Arquitetura Ordem Jônica

Arquitetura Mesopotâmia

Arquitetura Mesopotâmia

Arquitetura Maia Asteca

arquitetura maia asteca

Arquitetura Renascentista

arquitetura renascentista

Arquitetura Românica

arquitetura Românica

Arquitetura Bizantina

arquitetura bizantina

Arquitetura Pré-Histórica

arquitetura Pré-Histórica

Arquitetura Romana

arquitetura romana

Arquitetura Russa

arquitetura russa

Arquitetura Japonesa

arquitetura japonesa

Arquitetura Islâmica

Arquitetura Islâmica

Arquitetura Indiana

Arquitetura Indiana

Arquitetura Grega

Arquitetura Grega

Arquitetura chinesa

Arquitetura chinesa

Arquitetura

Arquitetura